Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O nosso superávit

por Inútil, em 23.11.07
Somos um país pobrezito.
Temos um PIB miserável, salário mínimo terceiro mundista, apertamos o cinto até às orelhas na esperança de um dia poder atenuar o deficit nacional. Somos os pés-rapados da Europa.
Verdade seja dita, a única coisa na qual Portugal não apresenta carências é na produção em massa de gente estúpida.
Bom... nisso e na construção de estádios de futebol desnecessários. Mas isso já é outra conversa.
Concentremo-nos na questão das pessoas estúpidas.
Ora, em primeiro lugar, o que é a estupidez?
Diz-me o meu fiel dicionário que é isto: Falta de inteligência e de delicadeza de sentimentos.
Vendo bem as coisas, disso temos cá nós a pontapés.
Não acreditam? Então liguem a televisão. Há 94% de hipóteses de darem imediatamente de caras com um espécimen desses. Não vos apetece? Vão à rua e metam conversa com cinco pessoas diferentes. Uma delas há de padecer desta maleita.
É triste mas é verdade.
E porque é que isto acontece?
Não faço ideia. Talvez o facto de termos uma cultura orientada para a glorificação da mediocridade ajude. Qual é que foi o último grande feito dos portugueses com impacto além-fronteiras? Não foi certamente empatar com a Finlândia ou ganhar por um aos padeiros da Arménia.
Não senhor. De momento, somos conhecidos lá fora como "os gajos com o maior assador de castanhas do mundo". É obra! E quando não é por isso, é por sermos uma espécie de carniceiros do asfalto.
Chamem-lhe estupidez, falta de civismo, tanto faz. Como dizia o meu professor de história, "a merda é a mesma, as moscas é que são outras".
Adiante.
Existem dois tipos de pessoas estúpidas: o estúpido assumido e o estúpido velado.
O assumido ao menos é honesto na sua estupidez. Aprecia ser grotescamente alarve e toma prazer/orgulho nisso. Sabe que é uma besta e está-se bem nas tintas para isso. É o condutor que se faz bêbado à estrada, o fanático que vai para os estádios de futebol com dois calhaus da calçada nos bolsos, o taxista que durante o trajecto dá palestras sobre as suas ideias pró-eugenia e o marido que arrebimba umas lambadas na mulher.
Já o estúpido velado, esse não se julga estúpido. Acha-se o dono da verdade suprema.
Qual matador de toiros, que esconde o estoque por trás da capa, o estúpido velado camufla a sua cretinice num subterfúgio de perspicuidade. São indivíduos profundamente mentecaptos mas com uma noção de si próprios inversa a isso. Quando penso em estupidez velada, o nome "Júlia Pinheiro" salta imediatamente da boca para fora.
A grande diferença entre os dois é que enquanto o estúpido assumido é imbecil para com os outros, o estúpido velado aprecia fazer os outros passar por imbecis.
Mas, ainda assim, as pessoas estúpidas não são totalmente desprovidas de préstimo. Ao fim de meia-hora de conversa com uma delas, qualquer diálogo posterior acaba por se tornar numa actividade intelectualmente estimulante. Nem que seja sobre plantações de nabiças com a senhora da banca da fruta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:31


1 comentário

De Inútil a 24.11.2007 às 17:20

Ainda bem que concordas! Acho que o truque para viver bem é esse mesmo, ver o lado positivo das coisas. A chatice é que por vezes é tramado encontrá-lo.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Sobre o Inútil

foto do autor


Onde é que anda aquilo?

  Pesquisar no Blog





Comentários recentes

  • Anónimo

    Pelo seu artigo logo se vê que o amigo não conhece...

  • Goretti Nunes

    Olá,Estou neste momento a elaborar a minha dissert...

  • Anónimo

    Pessoal a culpa nao e dele....a culpa e da mae que...

  • Anónimo

    Vai la e experimenta

  • ana maria

    Experimentei o frizante Castiço na cidade de Coimb...