Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Danças

por Inútil, em 14.01.14

Confesso, não sei dançar.

Abano-me da forma mais desconexa possível, fazendo lembrar os rituais de acasalamento daqueles pássaros da América do Sul que um gajo só vê na National Geographic.

É triste, mas é verdade. Em compensação, sei fazer uns petiscos à maneira. Mas não é isso que está em causa.

A questão aqui é que, falta de jeito à parte, é mais fácil dançar sendo fêmea. Ou melhor, é mais fácil executar um conjunto de movimentos ritmados que seja agradável aos olhos de outras pessoas sendo fêmea.

Se uma mulher estiver a dançar ao mesmo tempo que simula um ataque de sarna, todos os machos nas imediações irão achar que aqueles movimentos têm uma certa natureza lasciva. "Uh, já viste como é que ela se coça? Mas que cheirosa...".

Sim, é verdade, somos assim tão básicos.

Já se um homem for visto a abanar o caneco dessa forma... bem, não haverá quem o livre de uma bela reputação de nabiço. Ou esquizofrénico. Ou ambas.

Porque é que isto acontece? Será a sensualidade uma coisa mais inerente aos membros do sexo feminino? Pessoalmente, acho que sim.

Não acreditam? Ok.

Tentem visualizar uma fêmea a lavar a louça, envergando só um avental e um par de peúgas. Consegue atingir os mínimos na escala da volúpia, não é? Agora façam o mesmo exercício, mas visualizando um macho.

Há que ver as coisas como elas são e aceitar a realidade. As mulheres são sensuais por natureza. Nós temos de nos esforçar um bocadito para lá chegar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:20



Sobre o Inútil

foto do autor


Para twittar

http://twitter.com/Sem_Utilidade

Onde é que anda aquilo?

  Pesquisar no Blog





Comentários recentes

  • Goretti Nunes

    Olá,Estou neste momento a elaborar a minha dissert...

  • Anónimo

    Pessoal a culpa nao e dele....a culpa e da mae que...

  • Anónimo

    Vai la e experimenta

  • ana maria

    Experimentei o frizante Castiço na cidade de Coimb...

  • Chico

    Claro que o culturismo é óptimo! Eu sou um grande ...