Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O clique

por Inútil, em 29.08.14

Ela - Sabes? Acho que senti o clique. 

Ele - O clique? 

Ela - Sim, o clique. 

Ele - Define "o clique". Deste cabo do joelho outra vez, foi isso?

Ela - Não, nada disso. Estás a ver aquele momento em que uma pessoa a quem tu não ligavas pevide se torna, de repente, na única pessoa que tu consegues ver focada? 

Ele - Imagino que isso dependa da quantidade de gins que tenhas bebido antes. 

Ela - Não, parvo. 

Ele - Então? 

Ela - Não te sei explicar, sabes? Tudo aquilo que a pessoa faz, tudo aquilo que a pessoa diz, tu segues com um interesse extremo. 

Ele - Mesmo que te esteja a dizer que gosta de cabeça de pescada com batatas? 

Ela - Tu cansas-me a beleza... O clique é quando todos os teus sentidos se dedicam a absorver tudo o que essa pessoa é. Seja ao olhar, à audição, ao cheiro a que associas a pessoa e... 

Ele - Então e se a pessoa tiver problemas de higiene? 

Ela - Não sejas idiota, pá... 

Ele - Então e o tacto e o paladar? 

Ela - O clique não dá para tudo... 

Ele - Dá para quê então? 

Ela - Sei lá. É aquilo que te leva a dizer "quero muita coisa, quero o mundo, mas não há nada que queira tanto como ter a significância para essa pessoa quanto ela tem para mim". 

Ele - Percebo. Aliás, já encontrei várias mulheres que na altura eram "a mulher da minha vida". Lamentavelmente, nenhuma delas partilhava da mesma opinião. 

Ela - O problema do clique é esse. Só a própria pessoa é que o ouve. 

Ele - É um dos problemas. 

Ela - E os outros? 

Ele - O dinheiro que isso te faz gastar em aspirinas, por exemplo. O tempo investido sem retorno, também. 

Ela - É investido em boas recordações e bons momentos, ao menos. 

Ele - Opá, mas isso não é um clique nem sequer uma coisa platónica. É um álbum fotográfico. 

Ela - Não dá para falar contigo. 

Ele - Sim! 

Ela - Mas dizes isso porquê, não concordas comigo? 

Ele - Finalmente, isso faz clique! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:14


Da insistência

por Inútil, em 29.08.14

Sempre me fizeram confusão as pessoas que gritam ao telefone quando estão a perder rede e que martelam os botões do comando quando as pilhas estão no fim.

Porquê, senhores, porquê?

E porque não carregar no botão da consulta de saldo do multibanco com muita muita fé naqueles dias que antecedem o final do mês?

Ou carregar na caneta com mais força no boletim eleitoral no quadradinho daquele candidato que querem mesmo mesmo que ganhe?

É o mesmo princípio e tem o mesmo resultado prático! Zero.

Se a coisa se regesse assim, cada ida às finanças iria incorrer numa sessão de mocada no funcionário público que estivesse no guichet.

Na verdade, este é um conceito semelhante ao da violência doméstica.

Não é pelo cônjuge não estar a exercer um normal funcionamento que lhe temos de dar com uma enxada no lombo.

Há coisas que funcionam e há outras que não. Nem sempre percebemos porquê e a ausência de resultados irrita um gajo.

A verdade é que para isso parece que já há uma solução que não a insistência.

É rezar um terço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:59


O novo banco

por Inútil, em 26.08.14

Tenho uma nova entidade patronal, que não o BES.

Calma, também não é o novo banco.

Será um consórcio Norte-Americano que, entre outras coisas, é dono do canal de televisão AMC, esse mesmo que produz os "Walking Dead".

O que me deixa com expectativas para um eventual protocolo de intercâmbio profissional futuro.

Ia eu para a série e vinha um zombie fazer seguros. Até já tenho tudo planeado para o casting.

É só pedir a alguém que me filme nos dias em que entre às 08h30. É fatal como o destino que algum produtor da coisa diga "epá, este tal de Inútil é um zombie autêntico, grunhe e tudo. E nem vamos ter que abusar na maquilhagem que o gajo já é feio como uma noite de trovoada!".

Mas adiante.

Acho alguma piada a esta ideia de uma nomenclatura renascentista para uma coisa em ruínas.

Os clientes tiveram acesso a um "Novo saldo"? Foi aplicada às contas alguma "Nova taxa de manutenção"?

Não. E isso é pateta.

Porque a única coisa que vai haver de "Novo" para muita gente é uma refrescante viagem pelos meandros do subsidio de desemprego.

Gente que, enfim, ganha uma "Nova vida".

E do velho se faz o "Novo". Mas com a merda do costume.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08


O postal

por Inútil, em 26.08.14

Ela - Sabes, estava para aqui a pensar.. 
Ele - Bem dizem que há uma primeira vez para tudo. 
Ela - Parvo. 
Ele - Mas diz lá, estavas a pensar em quê? 

Ela - Bem... que às vezes, gostava que a minha vida fosse como um postal. 
Ele - Como assim? Estática? 
Ela - Não! 
Ele - Então? 
Ela - Opá, como aqueles postais, que têm uma fotografia de um casal aos beijos, junto a uma fonte, com passarinhos no fundo e o sol a brilhar. 
Ele - Ah, gostavas que a tua vida fosse fictícia, manipulada para aparentar ser perfeita? 
Ela - Não! 
Ele - É que essas imagens não correspondem à realidade, são um tanto ou quanto fantasiosas
Ela - Não sabes isso. Por vezes, até dão ideia de serem reais. 
Ele - Ah, mas sei, sei! Alguma vez conseguias estar ali na meio da praça do Rossio aos beijos sem um pombo te cagar em cima? Isso é que é realidade, pá. Isso é que devia vir nos postais: uma fotografia de um gajo com uma cagadela no casaco e a legenda a dizer "Lisboa - A cidade onde todos se estão a cagar para si". 
Ela - O que eu gostava era que me desses uma resposta séria de vez em quando... 
Ele - Mais sério que isto? Tu é que estás para aí com pensamentos idílicos! Só estou a tentar fazer uma aproximação à realidade. 
Ela - Irra que tu também tiras a magia a tudo. 
Ele - Onde é que está a magia no acto de um pombo me cagar na testa? 
Ela - Não, burro! A magia está naquele momento que até é único e fica imortalizado naquele postal, em que o mundo parece que deixa de girar e mais ninguém existe em redor deles. 
Ele - Sim. Lá parados estão eles... 
Ela - Falta-te um certo romantismo, não é? 
Ele - A culpa não é minha. 
Ela - Então? É de quem? 
Ele - Da minha Mãe. 
Ela - Da tua Mãe? 

Ele - Sim. Parece que não me terá forçado a ver telenovelas em doses suficientemente elefantinas na minha infância, para conseguir construir essa visão amaricada da coisa. 

Ela - Não tem nada a ver com isso. Pá... desisto. Isto chega a um ponto em que se torna impossível conseguir ter um diálogo racional contigo. Até parece que fazes de propósito. 
Ele - É mais forte do que eu. 
Ela - Tenho de deixar de discutir certos assuntos contigo. Como este. 
Ele - Ora, isso é que já dava um belo postal! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:52


Sobre o Inútil

foto do autor


Para twittar

http://twitter.com/Sem_Utilidade

Onde é que anda aquilo?

  Pesquisar no Blog





Comentários recentes

  • Goretti Nunes

    Olá,Estou neste momento a elaborar a minha dissert...

  • Anónimo

    Pessoal a culpa nao e dele....a culpa e da mae que...

  • Anónimo

    Vai la e experimenta

  • ana maria

    Experimentei o frizante Castiço na cidade de Coimb...

  • Chico

    Claro que o culturismo é óptimo! Eu sou um grande ...